Livro “Memória e libertação”: narrativa de um povo que lutou pela vida e pela terra em São Félix do Araguaia (MT)

29/05/2015 18:19

 

"Memória e libertação” é o novo livro da jornalista Arcelina Helena Públio Dias, que revive junto ao povo da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) suas histórias de luta pelos direitos da terra e da vida, durante os duros anos da ditadura militar.

Impactantes, grandes e coloridos murais, pintados por Cerezo Barredo, durante esse período, também contam a história do povo, iluminam e ilustram o livro de Arcelina. E principalmente o bispo Pedro Casaldáliga, líder da resistência desse povo que preserva com dignidade a memória das lutas, perseguições e vitórias.

Durante 100 dias Arcelina conviveu e conversou com o povo da Prelazia que participou da luta,  se orgulham de sua história e preservam a memória. Dom Pedro, com seus 92 anos, continua em São Felix. Cerezo Barredo -  padre, pintor espanhol e  principal muralista das lutas dos povos da América Latina, na segunda metade do século XX -  mora  em Salamanca, onde Arcelina foi entrevistá-lo.  

O Governo do Mato Grosso, através da Secretaria da Cultura, tombou os 12 “Murais da Libertação”, localizados em sete cidades da Prelazia, entre os rios Araguaia e Xingu.  Os murais mesclam a lutado povo, com suas características culturais das três raças brasileiras, com as histórias bíblicas da libertação anunciadas por Jesus e seus apóstolos. 

O livro de Arcelina faz parte de um projeto de peregrinação jornalística de 500 dias entre os pobres e excluídos dos cinco continentes, com o objetivo de escrever cinco livros. Memórias e Libertação é o quarto da série.

A editora Ave Maria, para conseguir a reprodução da qualidade dos murais e ao mesmo tempo um preço de venda do livro acessível, mandou emprimí-lo na China.

 

Comentários sobre Memória e Libertação:

 

“Este livro mostra um Brasil de histórias de força, um Brasil de necessidades primárias, um Brasil de soluções criativas empolgantes, longe dos holofotes do poder central. É um Brasil que tem muito a ensinar e a ser reconhecido por meio das histórias que compõem a peregrinação da autora pelo resgate da dignidade anônima de tantos cidadãos e cidadãs cujas vidas dizem muito mais do que os falaciosos números estatísticos ou os relatos da história official.”

Edvaldo Pereira Lima

Jornalista e prof da USP

Autor do prefácio

 

“No meio da crise mundial e das graves deficiências das nossas políticas e das nossas Igrejas, algo se move. O importante é não deixar cair a profecia” 

Dom Pedro Casaldáliga.